A Doença de Addison é uma condição rara, que pode ocorrer em qualquer idade, afetando as glândulas adrenais, responsáveis por produzir hormônios essenciais para o funcionamento do organismo.

Quando as glândulas adrenais não conseguem produzir quantidades suficientes desses hormônios, ocorre a insuficiência adrenal, que pode ser primária ou secundária, dependendo da causa. 

Neste texto, te explico o que é a Doença de Addison, quais são os seus sintomas, causas, tratamentos e mais. Continue lendo e entenda como essa condição pode afetar a qualidade de vida das pessoas que sofrem com ela!

O que é a Doença de Addison e como ela afeta a produção hormonal?

Ilustração Doença de Addison

Como dito anteriormente, essa condição afeta as glândulas adrenais, que são órgãos localizados acima dos rins e que produzem hormônios fundamentais para o organismo, são eles: 

  • Cortisol: responsável por auxiliar a regular o metabolismo, o estresse, a inflamação e a resposta imune. 
  • Aldosterona: ajuda a manter o equilíbrio de sódio e potássio no sangue e a pressão arterial.

Quando as glândulas adrenais não conseguem produzir esses hormônios em quantidades suficientes, ocorre a insuficiência adrenal, que pode ser primária ou secundária. 

A insuficiência adrenal primária é causada por um dano direto nas glândulas adrenais, que impede a sua função normal. 

Já a insuficiência adrenal secundária, é causada por um problema na hipófise, uma glândula localizada no cérebro que estimula as glândulas adrenais a produzirem cortisol.

Existem vários fatores que podem contribuir para o desenvolvimento da insuficiência adrenal, dependendo da sua causa. Alguns dos fatores mais comuns são:

  • Doenças autoimunes;
  • Infecções;
  • Hemorragias;
  • Uso de determinados medicamentos;
  • Tumores;
  • Problemas genéticos. 

Desequilíbrio hormonal: quando devemos nos preocupar?

Quais são os sintomas? Como diagnosticá-la? 

A Doença de Addison pode ser diagnosticada através da avaliação dos sinais e dos exames complementares de diagnóstico. Conheça os sintomas:

  • Hiperpigmentação da pele: consiste no escurecimento de algumas regiões do corpo, especialmente as que estão expostas ao sol, como o rosto, o pescoço, as mãos e os braços. 
  • Hipotensão arterial: diminuição da pressão sanguínea, especialmente ao mudar de posição (hipotensão postural).
  • Hipoglicemia: baixa concentração de glicose no sangue, que pode causar sintomas como tremores, suor frio, palpitações, fome, confusão mental e até coma.
  • Hiperpotassemia: concentração de potássio no sangue, que pode causar sintomas como fraqueza muscular, arritmias cardíacas e parada cardíaca. 

É possível tratar a Doença de Addison?

Tratamento Doença de Addison

O tratamento da doença de Addison consiste na reposição hormonal dos hormônios que estão em falta, como o cortisol e a aldosterona, por meio de medicamentos orais ou injetáveis. 

Para tratar esta condição, o paciente deve manter um acompanhamento endocrinológico regular, pois a dose dos medicamentos pode variar de acordo com as necessidades do organismo.

Além da reposição hormonal, o tratamento também envolve cuidados com a alimentação, a hidratação e a exposição solar. 

A doença de Addison é uma condição crônica que pode afetar a qualidade de vida das pessoas que sofrem com ela, mas que pode ser controlada com o tratamento adequado. 

Por isso, é importante consultar um endocrinologista, que é o especialista responsável pelo diagnóstico e tratamento da doença, e seguir as suas orientações. Assim, é possível viver com saúde e bem-estar, apesar da doença.

Check-up anual pode prevenir doenças endocrinológicas

Se você quer continuar recebendo conteúdos relacionados à saúde, me siga nas redes sociais: @tallitavieiraendocrino. Você também pode conferir outros textos na minha página exclusiva no blog Vitta!

Até breve!

Sobre o(a) autor(a): Dra. Tallita Vieira

Médica Endocrinologista graduada pela UFCG. Realizou residência em Clínica Médica no IMIP, em Recife/PE e, em seguida, residência médica em Endocrinologia e Metabologia no HUOL/UFRN


    Compartilhe

    Deixar um comentário

    Artigos relacionados

    Voltar para artigos