A busca por corpos musculosos e definidos tem sido uma tendência crescente, impulsionada pela influência das redes sociais, padrões estéticos e a cultura fitness.

Nesse cenário, os anabolizantes têm ganhado destaque como uma ferramenta tentadora para alcançar resultados rápidos e visíveis. 

Porém, é fundamental compreender que por trás dessa busca por uma aparência idealizada, há riscos significativos para a saúde, especialmente no que diz respeito ao equilíbrio hormonal.

Continue a leitura e conheça os perigos dessa escola!

Os riscos do uso de anabolizantes 

Anabolizantes e os riscos para a saúde

Em 2023, o Conselho Federal de Medicina (CFM) proibiu a prescrição de anabolizantes para fins estéticos e melhora do desempenho esportivo. 

Essa medida foi tomada devido à falta de evidências de benefícios para a saúde e aos potenciais riscos associados ao seu uso, especialmente no que diz respeito ao equilíbrio hormonal e ao funcionamento do sistema endócrino. São eles:

  1. Disfunções hormonais: interferem no equilíbrio hormonal do corpo, suprimindo a produção natural de hormônios, como a testosterona (hipogonodismo).
    Isso pode levar a disfunções hormonais, resultando em problemas como diminuição da fertilidade, disfunção erétil, irregularidades menstruais e até mesmo ginecomastia (crescimento anormal das mamas em homens).
  2. Danos ao fígado: muitos anabolizantes são metabolizados pelo fígado, o que pode sobrecarregar esse órgão e causar danos hepáticos. Isso inclui condições como hepatite, icterícia e até mesmo câncer de fígado.
  3. Alterações cardiovasculares: o uso prolongado pode aumentar o risco de doenças cardiovasculares, como hipertensão arterial, aumento do colesterol ruim (LDL) e diminuição do colesterol bom (HDL), além de aumentar a predisposição a coágulos sanguíneos e acidentes vasculares cerebrais (AVC).
  4. Alterações psicológicas: além dos efeitos físicos, também pode desencadear alterações psicológicas, como irritabilidade, agressividade, depressão e até mesmo psicose.
  5. Riscos para adolescentes: o uso por adolescentes pode ser especialmente prejudicial, uma vez que interfere no processo natural de desenvolvimento do corpo e pode causar danos permanentes ao crescimento ósseo e ao desenvolvimento sexual.

 Uso de testosterona sem auxílio médico: quais os perigos?

Alternativas saudáveis para o ganho de massa muscular

Se você deseja ganhar massa muscular, considere sempre alternativas saudáveis e responsáveis. Confira:

1. Plano alimentar 

Uma alimentação balanceada e rica em proteínas, carboidratos, gorduras saudáveis e nutrientes essenciais é fundamental para o crescimento muscular. 

Priorizar fontes de proteína magra, como frango, peixe, ovos, leguminosas e laticínios, pode fornecer os aminoácidos necessários para a síntese de proteínas musculares.

2. Treinamento de força

O treinamento de resistência, como o levantamento de peso, é uma das maneiras mais eficazes de estimular o crescimento muscular. 

Um treino bem elaborado, que inclua exercícios compostos e isolados, permite trabalhar diferentes grupos musculares e promover o desenvolvimento equilibrado do corpo.

3. Suplementação sob orientação profissional

Em alguns casos, a suplementação pode ser benéfica para complementar a dieta e otimizar os resultados do treinamento. 

Para isso, é crucial consultar um especialista em endocrinologia antes de iniciar qualquer suplementação. 

Um endocrinologista pode avaliar a saúde hormonal do paciente, fornecer orientações personalizadas e monitorar qualquer intervenção para garantir sua segurança e eficácia.

 Desequilíbrio hormonal: quando devemos nos preocupar?

Esse conteúdo tirou suas dúvidas? Me acompanhe no Instagram e mantenha-se bem informado: @tallitavieiraendocrino.

Sobre o(a) autor(a): Dra. Tallita Vieira

Médica Endocrinologista graduada pela UFCG. Realizou residência em Clínica Médica no IMIP, em Recife/PE e, em seguida, residência médica em Endocrinologia e Metabologia no HUOL/UFRN


    Compartilhe

    Deixar um comentário

    Artigos relacionados

    Voltar para artigos